Alice

Frosty Morning (The Echelon Effect, As The Lights Fade Away)

Reparo nos traços de Alice.

Agarro na minha Polaroid e imortalizo-os.

Amanhã agarro no meu lápis e escrevo-lhe apaixonadamente.

(É que tenho muito medo)

-Alice?

- Sim?

- Promete-me que não vais esquecer quem és? - Se isso acontecer, deixo-te a fotografia e a biografia contada a carvão junto da tua mesa-de-cabeceira.

- Se não vou saber quem sou, tão pouco vou-me lembrar de ti. – Respondeu Alice de mãos sobre o queixo como quem ainda é criança inocente.

Alice e o seu ar de menina, os seus pensamentos persuadem sob tudo aquilo que eu não conseguia explicar, falando-lhe.

Ficava-lhe sem argumentos porque tudo nela era vida consciente de um tão inesperado fim.

- Alice? Dentro da tua gaveta também está a minha biografia e algumas escritas.

- Então já podemos morrer. (diz Alice acendendo um cigarro, sorrindo-me disfarçadamente.)

Levanto-me, apago-o.

Observo-a por instantes e pergunto-lhe o porquê dos seus atos.

- Para esquecer.

(responde-me aturdida, levantando-se, batendo assim com a porta, abrindo-se esta novamente…)

Alice sai. E pousa um silêncio carregado.

Levanto-me. Abro-lhe a cama e acendo todas as luzes da rua.

Deixo a chave de fora.

E por fim abro-lhe as gavetas onde estão os manuscritos;

___________________________________

“ Alice por mais que goste de mim… Eu gosto mais de ti. Agora lê isto e vem deitar-te. O hoje já passou e o amanhã está quase. - Sabes agora quem eu sou e o que és para mim?”

Género: 
Você votou 'Gosto'.