Silêncio periclitante

Mora neste espaço a escuridão boiando num
Mar de maresias tão quietas que depois se
Desfragmentam qual silêncio subtil e expectante
 
Velo a solidão presa num arame farpado onde
Se escondem túrgidos lamentos exultantes
Vestindo este verso com uma rima quase debutante
 
Anseio pela manhã que sei chegará breve e periclitante
Escondendo cada bruma que vadia neste silêncio resiliente
Até submergir numa maresia absolutamente emoliente
 
Nas ancas da solidão sossega uma ilusão saliente
Faz até corar toda aquela caricia adolescente que
Desabrocha no leito do prazer qual estupefaciente
 
FC
Género: 
Você votou 'Gosto'.