um palácio transcendental

a flor que cresce nos itinerários do sofrimento tem a solidão como fé no encargo de desabrochar os versos que a sua singularidade transfigura: cresce como um bramido lancinante que ascende os palcos da fantasia; cresce como um traumatismo que excita o porvir que insinua.

Género: