um palácio transcendental

troco a minha clausura por um profuso alvor quando a fealdade me conspurca com os transes recuperados pela minha existência descomunal; troco a solidão em que persisto pelas novidades vertidas sobre as alegorias insanas que amenizam o meu viver.

Género: